sábado, 8 de dezembro de 2018

EFEMÉRIDES

Neste dia,





em 1865, nasce Jean Sibelius, compositor finlandês



em 1994, morre Antônio Carlos Jobim, compositor brasileiro


DIAS SANTOS



A Igreja Católica celebra hoje o Dia da Imaculada Conceição (padroeira de Portugal)

(Pintura de Rubens)

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

EFEMÉRIDES



Neste dia, em 2013, morre Edouard Molinaro, realizador francês

SANTOS DO DIA


A Igreja Católica celebra hoje o Dia de Santo Ambrósio

(Pintura de Goya)

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

CONTRIBUTOS EXTERNOS


§§   FOLCLORE MÍSTICO   §§
                                                                                              

Gil Monteiro*

As festas populares a chegar ao fim,
 Tantas e muito famosas
Todas para ti e para mim!
 As vozes são harmoniosas!
Nas manhãs e tardes televisivas
Mostram vindimas, com bolas e petiscos,
Bons apetites e nas garrafas finos vinhos...
Das bandas sons de cordas, concertina e cantigas,
Até a pequenada bate asas aziagas!
As tradições são lembradas,
 Lendas amigas e sonhadas...
 Instrumentos se “fabricam”:
 Cornetas e apitos (renovado os espíritos!).
Ossos e carnes, no Outro-Mundo, não existem,
Tirando Deus e Santos, identificação é por magia:
Encanto de contemplação das almas!
Cristo achou puros os fatos passados (!)
Assim como finos foram os antigos fados...


Porto, 22 de outubro de 2018

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

EFEMÉRIDES






Neste dia, em 1922, nasce Gérard Philipe, actor francês

SANTOS DO DIA


Hoje são celebrados



Santa Bárbara

(pintura de Vieira Lusitano)





e São João Danasceno

(ícone grego)

sábado, 1 de dezembro de 2018

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

EFEMÉRIDES

Neste dia,




Resultado de imagem para egas moniz

em 1875, nasce Egas Moniz, médico, Prémio Nobel da Medicina





em 1924, morre Giacomo Puccini, compositor italiano





em 1981, morre Nathalie Wood, actriz norte-americana






em 1986, morre Gary Grant, actor norte-americano






em 2001, morre George Harrison, um dos Beatles




SANTOS DO DIA



A Igreja Católica celebra hoje o dia 







de São Tiago da Marca






de São Saturnino




e de São Frederico de Ratisbona

sábado, 24 de novembro de 2018

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

CONTRIBUTOS EXTERNOS


&   PREPARAR O FUTURO   &

                                                                                                        


   Gil Monteiro*

        Dá gosto ver as reportagens, via TV, dos pais a levarem os futuros alunos à Escola, no dia do novo ano letivo. As creches e os infantários estavam cheios de movimentos e de mimos. Não faltavam os avós e os amigos. Já as instalações do ensino básico fechadas ou de pouco agitadas. Os pupilos eram senhores desembaraçados, abrindo caminho aos mais pequenotes e mostrando o conjunto dos edifícios aos familiares pouco instruídos, mas de telemóvel na mão!
        Os profissionais do ensino, empregados de educação, educadores, mestres e outros encarregados, pouco se notavam. Quando foi a vez de deixar, pela ocasião, o filhote mais novo, na linda vivenda ajardinada a servir de infantário, o menino ficou a brincar e eu de coração a sangrar, pois estava a ficar velho!!! Ainda não tenho hoje a coragem de ir à abertura das aulas, mesmo de outros filhos ou netos.  
        Quanto mais estudos melhores empregos e ocupações; mais alto nível de vida... Veja-se as novelas brasileiras: citadinos evoluídos e os pobres da sanzala, ainda que tentem disfarçar a pobreza com riquezas. Os idosos terão hipóteses de viverem confortáveis; casos os filhos tenham bons empregos; e que sejam ajudados nas doenças?!
        É bom ter netos e conviver com eles, mesmo nas “apertadinhas”, obrigadas pelas dificuldades das ausências impeditivas dos pais.
        O ensino secundário tende a acabar? Quando iremos ter bombeiros e agricultores com mestrados e doutoramentos? Já vamos tendo alguns!
        Os edifícios das escolas primárias e secundárias descativados estão a ser usados como instalações de cultura e lugares de abrigo para pobres desprotegidos. Até velhos ranchos folclóricos passaram a ter um poiso certo e as bandas filarmónicas a manter abrigos onde tocar e apitar mais fino, sem irritarem as pombas!
        Na modesta aldeia transmontana o terreno público de descascar e secar figos e amêndoas e até medronhos, e local de lazer (jogos caseiros, trabalhos do linho: fiar e fazer bordados, em mesas graníticas, água canalizada; assadores e outros apetrechos de folgas foram transformados em local “citadino”. Foi uma alegria mas, agora, uma tristeza de desleixo; nem crianças existem para uso dos baloiços! Obras bem delineadas, e do melhor material, só serve hoje para lixo e abandono. As nogueiras abundantes, de madeiras preciosas, foram vendidas! Estarão a servirem de maples, para ver vídeos e bonecos animados, para os meninos das creches, nas suas casas, sobradadas em pinho!? A um elemento da Junta de Freguesia, que deu uma mão cheia de justificações para o abandalhamento, foi dizendo:
     --- Os grelhadores e o micro-ondas estão guardados na casa nova da S.ª Professora, por sua vez já despedida por falta de educandos. Vão aparecendo as escolinhas de artes e ofícios: para a música e oficinas somos uns azes!
     Nem tendeiros ou compradores de materiais usados aparecem, mesmo de furgonetes ou ainda de carroças de burras ou mulas. Fazem trabalhos agrícolas, quando o bater do farrancho terminava!...
        O bater do linho, e a apanha de amoras nos silvedos dos muros idosos, ainda tem clientes. É preciso voltar a povoar os locais da aldeia com novas remessas de galegos ou palestinianos e norte africanos, aquém serão fornecidos palmos de terra. Não é vender Portugal é fornecer trabalho e matar a fome aos famintos!
        Os poucos alunos entrados nas faculdades ou politécnicos não voltam às versas, preferem emigrar indo, caso seja necessário, para a agropecuária velha!
        Temos que pedir ao anjo-custódio, a força da vida vai faltando, e o caminho é curto... , O seguinte:
        A nossa lâmpada mágica vai ser orientada, na galáxia; ter umas pequenas Intermitências da forte luz perpétua, servir na Terra como de anjo do Céu!


Porto, 14 de setembro de 2018
*José Gil Correia Monteiro

domingo, 18 de novembro de 2018

CONTRIBUTOS EXTERNOS


A percentagem do IVA

Por Antunes Ferreira

Corre por aí uma polémica que considero estapafúrdia – a que diz respeito à percentagem do IVA a aplicar às touradas ou corridas de touros (deixo aos interessados o livre alvedrio da escolha) – que já motivou inclusive alguma confusão dentro do Partido Socialista. Ora se mo permitem (e mesmo que não mo permitam) vou meter aqui a minha colher porque a bem da verdade não se trata de questão entre marido e mulher…
Os meus progenitores, o sr. Henrique Silva Ferreira e a dona Glória Hermínia Prata Antunes eram aficionados, diria mais, aficionadíssimos. Tourada a preceito era tiro e queda, fosse ela a normal, fosse aquela à portuguesa. Seguiam-nas quase todas aqui e no país vizinho, normalmente atrás da estrela maior do toureio português, o célebre Manuel dos Santos, natural da Golegã, que tinha como apoderado o sr. Patrício Cecílio (que diziam as más línguas era o pai putativo do rapaz)
O meu pai era regente agrícola pela Escola Agrícola de Santarém e, vejam lá, forcado do Grupo de Amadores da mesma cidade, o seja o Grupo de Forcados Amadores de Santarém e tinha a especialidade de cernelheiro isto é pegava os cornúpectos de cernelha com outro camarada. Era então o cabo do grupo um homem que ficou para a história dele de seu nome António Abreu.
Um dia, tinha eu doze anos, o meu pai levou-me à estalagem Gado Bravo, ali na Recta do Cabo na outra margem em plena lezíria ribatejana, local de reunião de aficionados tauromáquicos, que possuía um tentadeiro anexo. Nele decorria uma garraiada com uma pequena novilha (quiçá de mama…) no redondel e muita rapaziada que iam tentando pegá-la ou novilha-la com mais ou menos sucesso. O pai Ferreira disse-me então para ir também para a praça e ensaiar os dotes que sabia que eu tinha para a pega e citou – estou a relembrar a cena como se fora hoje – filho de peixe sabe nadar! Queria ele dizer na sua filho de pegador de touros à unha sabe pegar!
Porém quando eu lhe respondi muito envergonhado e enfiado que não senhor, não ia, que o bicho tinha dois paus na cabeça (na altura não dizia cornos na frente do meu  progenitor) a tristeza com que recebeu a minha cobarde negativa ainda hoje a tenho bem viva diante dos olhos.
Daí a qualificativa estapafúrdia que empreguei sobre a polémica que corre sobre a percentagem do imposto sobre o alor acrescentado. Ainda se fosse sobre a proibição ou a continuação da actual situação poderia ter algum significado. Que me desculpe o PAN  mas tenho de fazer a pergunta calina: então e Barrancos?

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

EFEMÉRIDES



Neste dia,





em 1839, nasce Júlio Dinis, pseudónimo de Joaquim Guilherme Gomes Coelho, médico e escritor português






em 1840, nasce Claude Monet, pintor francês






em 1946, morre Manuel de Falla, compositor espanhol


SANTOS DO DIA



Hoje, nas Igrejas Católica e Ortodoxa, é celebrado o Dia de São Gregório de  Palamas, que foi arcebispo de Salónica