sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Incoerente, traidor, ou pantomineiro?

Muito se tem falado nos últimos dias sobre a prova, dita de avaliação, para professores contratados. É esmagadora a percentagem de professores que desde o início da ideia manifestam o seu desacordo com a realização da mesma. As manifestações foram-se sucedendo e o desacordo dos sindicatos era manifesto. Várias vezes ouvimos os dois líderes das principais Federações sindicais, Fenprof e FNE – Mário Nogueira e João Dias da Silva – vociferarem, é mesmo o termo, contra a realização de tal prova. E, se calhar João Dias da Silva era, dos dois, aquele que melhor argumentava a sua inutilidade como método de avaliar o desempenho de um professor. Pois é, mas coerência é pelos vistos uma coisa que João Dias da Silva não tem. Ou, então, o que é muito pior, traiu uma parte significativa de colegas seus, provavelmente a troco de “um rebuçado”, acordando com o ministério de Crato que a prova é má para todos os contratados, mas já não o é para metade deles. Estranho, não é? Mas não ficou por aqui. Ouvi-o dizer que continua a ter a mesma opinião, ou seja, a prova não tem sentido, mas como o acordo liberta da mesma cerca de vinte mil professores “já não é mau”.
Quer dizer: “não gosta; gosta; de facto não gosta, mas…”. Que grande pantomina.

Ora, quem trai é…, traidor; e quem dá pantominas é…, pantomineiro, não é? Bom, não esqueçamos que João Dias da Silva é militante do PPD e é, ou já foi, elemento de órgãos directivos do partido. Provavelmente, lá mais para diante saibamos qual é o rebuçado.

1 comentário:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Pereiróamigo

... a porra é que não é só o sôr João Dias da Selva e na da Silva pois é na primeira que o homem devia ser ou desarvorado, de árvore; há muitos mais:

Quais, quais, oliveiras, olivais
Pintassilgos, rouxinóis,
Caracóis, bichos móis,
Morcegos, pássaros negros,
Tarambolas, galinholas,
Perdizes e codornizes,
Cartaxos e pardais,
Cucos, milharucos,
Cada vez há mais...


Com uma caçadeira de dois canos e automática era um vê-se-te-avias.

Abç


Abç